Gravidez

Dicas de alimentação durante a gravidez

A gestação é um período de importantes mudanças fisiológicas e psicológicas na vida da mulher, por isso é necessário que haja cuidados especiais no que diz respeito à saúde e à nutrição.

A saúde das gestantes e de seus bebês depende de uma nutrição adequada. A nutrição na gestação é, portanto, decisiva para o curso gestacional. A dieta, no primeiro trimestre da gestação, é muito importante para o desenvolvimento e diferenciação dos diversos órgãos fetais. Já nos trimestres subsequentes, a dieta está mais envolvida com a otimização do crescimento e do desenvolvimento cerebral do feto.

RECOMENDAÇÕES DIETÉTICA NA GESTAÇÃO

A alimentação adequada à saúde da mãe e adequado desenvolvimento do bebê deve ser:
• Um momento tranquilo em família, sem distrações como televisão, computador;
• Variada e com alimentos de qualidade;
• Fracionada com intervalos de 2 a 3 horas entre uma refeição e outra, com pequenos volumes de alimentos;
• Ingerir alimentos fontes de proteínas variadas: carne vermelha, peixe, galinha, ovo, leite desnatado e derivados, feijões, grão de bico, castanha de caju, gergelim, entre outros;
• Ingerir carboidratos na quantidade adequada de preferência os integrais (arroz integral, macarrão integral, aveia, quinoa, entre outros);
• Consumir diariamente de 3 a 4 porções de frutas e de 4 a 5 porções de hortaliças (verduras e legumes), procurar sempre a variedade para garantir boa oferta de vitaminas e minerais;
• Evitar o consumo excessivo de frituras e gorduras saturadas (origem animal) e trans (grande parte de alimentos industrializados), preferir gorduras poli e monoinsaturadas de origem vegetal (azeite de oliva, óleo de soja, canola, castanhas em geral);
• Aumentar o consumo de água.

Do ponto de vista nutricional, as necessidades de energia, proteínas, vitaminas e minerais ficam aumentadas, com o objetivo de atender a demanda de novos tecidos e órgãos que se desenvolvem nessa fase, requerendo ajustes fisiológicos continuados.

ENERGIA:

Durante a gestação, a mulher necessita de uma quantidade maior de calorias para suprir o elevado gasto energético ocasionado pelo aumento da Taxa de Metabolismo Basal (TMB) e para formar os depósitos de energia dos tecidos materno e fetal, sendo essa energia extra um total de 300 kcal/dia a mais do que a necessidade anterior à gestação.

MICRONUTRIENTES:

O consumo inadequado de vitaminas e minerais está associado a desfechos gestacionais desfavoráveis, por isso é muito importante a presença desses elementos na dieta da gestante, em especial o cálcio, ferro, ácido fólico, zinco e as vitaminas A, C e D.

• Cálcio: trata-se do maior aliado da saúde dos ossos e dentes, o que é fundamental para o crescimento. Alimentos fontes: iogurte desnatado, leite desnatado, amêndoas, couve, sardinha, avelã, tofu.

• Ferro e vitamina C: o período que requer maior demanda é no último trimestre da gestação devido ao aumento das necessidades de oxigênio do binômio mãe/bebê. A carência de ferro durante a gestação pode levar à anemia, que aumenta o risco de parto prematuro. Alimentos fontes: carne vermelha, peixes, galinha, semente de abóbora, tofu, feijões, frutas secas. Consumir ainda alimentos ricos em vitamina C (laranja, acerola, morango, kiwi, goiaba), pois essa aumenta a absorção do ferro e melhora a defesa imunológica.

• Ácido fólico: esta vitamina é requisito para crescimento normal, na fase reprodutiva (gestação e lactação) e na formação de anticorpos. Sua deficiência pode ocasionar alterações na síntese de DNA e alterações cromossômicas, como defeitos do tubo neural e espinha bífida. Alimentos fontes: carne vermelha, lentilha, espinafre, brócolis, aspargos, feijão preto, amendoim.

• Zinco: é necessário à reprodução, diferenciação celular, crescimento, desenvolvimento, reparação tecidual e imunidade. A deficiência deste mineral na gestação está relacionada com aborto espontâneo, retardo do crescimento intrauterino (RCIU), prematuridade, pré-eclâmpsia, entre outros. Alimentos fontes: ostras cozidas, sardinha, gérmem de trigo, amêndoas.

• Vitamina A: é essencial para diversos processos metabólicos, como a diferenciação celular, o ciclo visual, o crescimento, a reprodução e para os sistemas antioxidante e imunológico. Alimentos fontes: ovo cozido, abóbora, manga, espinafre, folhas de mostarda refogada, batata doce cozida, cenoura.

• Vitamina D: auxilia a fixação de cálcio nos ossos, a deficiência já foi associada a distúrbios da homeostase óssea na criança, redução da mineralização óssea e aumento no risco de fraturas. Forma de absorção: exposição regular ao sol. Alimentos fontes: salmão, peixes, leite, iogurte, ovo cozido.

O acompanhamento nutricional durante a gestação tem como objetivo, suprir as necessidades da mãe e do bebê no que diz respeito a alimentação – auxiliando na escolha correta dos alimentos, hábitos alimentares saudáveis, acompanhando o estado nutricional da mãe e o crescimento do bebê.

Related Posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *